Todas as Trilhas do Parque   

Menu Inicial

Oferecimento : Tatu na Trilha Ecoturismo . Tel : 75 33441124

CACHOEIRA DA FUMAÇA

A Cachoeira da Fumaça è um espetáculo único no mundo pela grandiosidade e majestade do cenário. A trilha que leva até a queda tem sua origem nos garimpos de diamante do século passado espalhados nas bacias hidrográficas dos rios Capivara, Palmital, Capivarí e Caldeirão.A trilha foi em parte calçada de pedras mais recentemente para facilitar o acesso do gado que encontrava nos gerais pasto farto na época da seca no sertão. A queimada periódica deste pasto causava gravíssimo impacto ambiental. O IBAMA determinou a saida deste gado em novembro de 2002, o Parque agradeçe.

Com 380 metros de queda livre, ela é a segunda mais alta do mundo, a primeira sendo o salto Angel na Venezuela. Em época de estiagem, de maio a setembro, ela fica com pouca água e o vento leva de volta as gotinhas formando a famosa "Fumaça".

A primeira parte da trilha é relativamente íngreme mas o andarilho tem a satisfação de descobrir aos poucos um visual panorámico sobre a serra do Rio Preto e o Vale do Capão.É preciso uma hora de caminhada para alcançar o curral. A área ao redor do curral é muito interessante por abrigar uma flora riquíssima de Bromélias, Orquídeas e Cactos.O muro de pedras serve para impedir a volta do gado que se encontra nos gerais. A partir dahí a trilha é plana sem dificuldade, apresentando algumas áreas inundadas ricas em plantas carnívoras (Drosera) e matas ciliares repletas de Bromélias (Vriesas e Tillandsias). Esta área imensa e plana tem o nome de "gerais" e abriga uma fauna variada de seri-emas, mocos(Kerodon rupestre), perdizes, gaviões e onça de passagem ! Uma hora suplementar para chegar na cachoeira, o tempo total de caminhada aproximando duas horas.

Chegando na cachoeira, é bom parar e respirar para se entregar ao mistério da criação. Se tiver mais gente, fale com eles, compartilhe este momento de emoção e tranquilidade, você nunca mais vai esquecer este momento! O cãnion onde corre o rio é refúgio para uma floresta de "palmitos" e densa mata Atlântica. Após descrever uma grande curva o rio se joga no rio Capivara que segue serra abaixo até o rio São José e Paraguaçu. As gotinhas de água da cachoeira da Fumaça terminarão sua viagem na Bahia de Todos os Santos onde encontram o mar...uma linda viagem.

Fotografia

     Tempo Caminhada    Desnível total      Distáncia Ida          Altura da queda      Altitude máxima
       2 horas (ida)       320 metros         6 km           380 metros              1320 m

Mapa da trilha

Contato : Tatu na Trilha Ecoturismo

Ponto 1: Início da trilha no pé da torre de telecomunicação, uma placa do Ibama dá algumas informações sobre a trilha e o Parque. Atravessa-se vários quintais e logo começa um campo aberto de 300 metros que vai dar no início da subida da serra da Larguinha. A Associação de guias do Vale do Capão tem sua base aí, o registro dos visitantes é obrigatório por medida de segurança. Sempre tem guia a disposição para informar o visitante e acompanhar-lo.

Ponto 2: Tempo de caminhada : 20 min. Subida dividida em três patamares bastante íngremes com um desnível total de 330 metros, esta é a parte mais árdua da trilha. Os trechos mais íngremes foram calçados para permitir a subida de animais até os campos e seus pastos naturais. Belo visual sobre o Morrão e a planície da Campina. Observem os primeiros pés de Candombá, uma planta de caule grosso e fibroso usada tradicionalmente para acender o fogão a lenha, indicando uma altitude superior a 1200 metros. Presença de cristais de quartzo no chão (Si O2). Esta trilha foi originalmente traçada pelos garimpeiros que alcançavam por aí os rios Palmital e Capivara.

Ponto 3: Tempo de caminhada : 45 min. Alcança-se o nível dos gerais num primeiro muro de pedras seguido por um trecho arenoso com belo visual sobre o vale do Capão e a serra do Rio Preto. Em seguida a trilha orienta-se para o leste onde encontra o curral.

Ponto 4:Tempo de caminhada : 1h. O curral é rodeado de um campo rupestre extremamente rico e frágil, cuidado com suas pisadas, não colha plantas! Várias espécies de Bromélias (Ortophitum burle marxii em homenagem ao genial naturalista Brasileiro) Cactos e Orquídeas caracterizam um campo de grande diversidade biológica (até 30.000 sementes por m2). Arvoredos de folhas graúdas (pau de mocó) e o Samambaiaçu (Alsophila armata) completam o visual dos tempos primordiais, há um milhão de anos.

Ponto 5, 6,7: Platô a perder de vista, os "Gerais" se extendem por três quilômetros, com zonas de brejo e travessia de vários córregos, afluentes do rio da Fumaça. Observem umas pequenas plantas vermelhas e peludinhas que fabricam visgo quando mexidas, são carnívoras (Drosera). O beija-flor de gravata vermelha (Augastes lumachellus, endêmico da Chapada) freqüenta esta área. Perto da cachoeira, é fácil avistar algum mocó (Kerodon rupestres) pequeno roedor cinza de bundinha marrom.

Ponto 8: Tempo de caminhada : 2h. Chegando ao rio de bela cor vermelha, dá para sentir as gotinhas da cachoeira que voltam para cima, trazidas pelo vento; fenômeno que deu origem ao nome "Fumaça". Muito cuidado ao se debruçar sobre o abismo de 380 metros. A floresta do fundo do cânion é remanescente de Mata Atlântica, com numerosos palmitos (Juçara, Euterpe edulis).

O rio da Fumaça se joga no rio Capivara que desagua no São José, este afluente do Paraguaçu que corre até a Bahia de Todos os Santos com a benção de todos os Orixás.

Contato : Tatu na Trilha Ecoturismo. Tel : 75 33441124

Trilha Capão - Lençois

Histórico

Esta trilha foi aberta no século 19 pelos garimpeiros de diamante para facilitar o abastecimento da cidade de Lençois em banana, café e legumes abundantes no Vale do Capão. Os tropeiros vindo de Vitória da Conquista começaram a utilizar esta nova via de comunicação para alcançar o norte da Chapada, Morro do Chapeu e Jacobina.

O vale do Ribeirão, na parte mediana da trilha, foi cenário de vários garimpos cujos vestígios é possível admirar até hoje, particularmente na parte en zig zag perto da travessia do Ribeirão. Tocas e regos de pedras lapidadas com grande precisão testemunham a experteza desses homens na arte do garimpo.

A trilha é utilizada até hoje pelas caravanas de burros que carregam a produção agrícola do Vale do Capão para a feira de Lençois.

Principais atrativos

A trilha atravessa vários ecossistemas como Cerrado, Mata Atlântica, Campo Rupestre e Caatinga, mudando en função da altitude e da exposição ao sol. Muito banho ao longo dos rios dos Bois, Riachinho, da Conceição, Ribeirão e Grisante alem de um visual extraordinário do Monte Tabor (Morrão). Mata densa perto do colo do Ribeirão com abundante flora de epífitas, bromélias aos milhares.

Uma tilha nota 10 para quem quer mergulhar um dia no que a Chapada tem de melhor.

Dados técnicos

Tempo de caminhada : 7 horas sem dificuldade. Desnível de 600 metros favorável ao Capão. Trilha por completo no perímetro do Parque Nacional.

Pontos GPS     (UTM ; Zona 24;WGS 84)

 

  Vila do Capão Os Campos Riachinho Córrego dos Gatos Nascente Ribeirão Travessia Ribeirão Colo Lençois
X 228356 228721 229256 230165 231722 233993 236389 240425
Y 8604748 8606186 8608804 8611320 8611461 8610513 8608614 8610227

Mapa da Trilha Capão Lençois

Trilha Capão Mucugê - 3 dias - 53 km

O trecho Capão / Gerais do Vieira é descrito na trilha "Capão Pati". Chegando no córrego da Galinha (ponto 1) tomar a direção Sul Oeste, a trilha se aproxima progressivamente da serra do Rio Preto. Avista- se desde o gerais a ladeira do "quebra bunda" (ponto 2) que da acesso ao gerais do Rio Preto.

A trilha acompanha a crista da serra, dominando os gerais do Vieira a esquerda e os gerais do Rio Preto a direita. Os vários afluentes do Rio Preto oferecem opções de acampamento com agua. Mas adiante cruza-se a trilha Guiné Pati que passa no colo (ponto 5) e desce en direção a Ruinha e Pati do Alto. Segue-se pleno sul até o ponto 6, entrada do vale que vai formar o rio do Cachoeirão. A toca do Gavião oferece um abrigo ôtimo com água perto e belo visual sobre o início do vale. Em quarenta minutos se alcança o alto da cachoeira de mais de 100 metros, belíssimo visual sobre o vale do Cachoeirão e do Pati, imperdível.

A trilha principal segue para o sul, o gerais é cortado por zonas de brejo sem dificuldade para passar. O Rio Preto continua a mão direita, a uma distância variando de 500 metros a mais de um kilómetro. Avista-se poços e cachoeirinhas no leito principal.O segundo acampamento pode ser feito no ponto 7 correspondendo a dois terços da distância total.O encontro com o rio se da numa formação geológica única na região (ponto 8), um poço de 8 kilómetros de extensão com 20 a 30 metros de largura.Tem trilha dos dois lados desta avenida aquática, a da margem esquerda passa pela toca do Caboclo (ponto 9) e suas pinturas rupestres, muito cuidado e respeito para os nossos antepassados Cariris e Maracás ! É fácil imaginar as canoas dos índios descendo rio abaixo  em direção ao que seria séculos mais tarde a cidade de Santa Helena do Paraguaçu, a Mucugê de hoje.

Na sua parte final a trilha atravessa uma caatinga extensa e dá no encontro do rio Preto com o rio Paraguaçu, fácil de atravessar para pegar uma rodagem que alcança rapidamente a estrada de asfalto para Mucugê.

Coordenadas GPS  (UTM - Zona 24 - WGS 84 )

  ponto 1          2         3        4        5         6        7         8        9       10
     X 229863 229267 230291 230687 231906 233281 235045 236440 238718 242981
     Y 8597176 8592922 8589236 8586462 8583598 8581652 8577048 8570448 8566520 8561002

 

Contato : Tatu na Trilha Ecoturismo

Trilha Capão Pati Andarai

Com cerca de 40 km de extensão, esta triha apresenta uma grande variedade de panoramas e permite conhecer uma comunidade isolada do resto do mundo. Pode ser feita em 3 dias mas aconselhamos 4 dias para disfrutar do Gerais do Vieira e do Cachoeirão. A partir do Vale do Capão pode ser feito um circuito fechado passando pela cachoeira do Calixto e voltando pela Ruinha em 3 dias.

            Saida do Vale do Capão    A vila do Bomba, últimas casas do vale, marca o início da expedição. A longa subida até os gerais do Vieira abre um visual de primeira para o vale com o Morro Branco e o monte Tabor ao norte. Tempo de caminhada da pousada Candombá até o Morro do Gaucho : 4 a 5 horas

            Gerais do Vieira    Este é sem dúvida um dos lugares mais bonitos do Parque. Várias trilhas atravessam a extensão de 10 km de colinas percorridas pelos rios Ancorados e da Lapinha.  Poços e cachoeirinhas se escondem no relevo, rodeados por matas ciliares ricas em plantas exóticas. Acampar no meio do gerais é uma experiência única e deve incluir-se no roteiro para o Pati. A toca do Gaucho, no pé do Morro do mesmo nome oferece um abrigo rudimentar, perto do rio Ancorados. A presença de gado nos gerais vinha trazendo grande destruição; a queima do capim pelos vaqueiros se extendia as matas ciliares, provocando assoreamento dos rios.  Várias trilhas seguem na direção do Morro Branco do Pati para se juntar numa só que desce para a casa de Delson e a Ruinha. Preferimos outra opção que è a descida acompanhando o Rio da Lapinha e passando pela cachoeira do Calixto (ver mapa), atravessando densa mata ciliar. Esta trilha leva até a Prefeitura. Tempo do Gaucho até a Prefeitura : 5 a 6 horas

                      Vale do Pati e Cachoeirão    O vale é habitado por umas trinta famílias de agricultores; alguns "alternativos" se instalaram na última década a procura de uma vida natural bastante difícil devido ao isolamento. A cultura do Patizeiro é rica, tem casa de Umbanda e grupo de Jaré. Vários nativos transformaram suas casas em pequenas pousadas (Seu Wilson, Seu Eduardo e Seu Massú), é possível comprar deles algumas frutas e verduras. O Cachoeirão é um vale adjacente ao vale do Pati e termina por um paredão majestoso do cual despencam várias cachoeiras de uma altura de 200 metros. Nas matas do Cachoeirão se ouvem os urros do macaco Barbado (Alouatta caraya) que alcança o peso de 12 kilos. O finado senhor Jonas que eu tive o privilégio de conhecer por volta de 1990 morava dentro do Cachoeirão e comentava que os Barbados estavam voltando, após anos de sumiço devido as lavouras de café que acabararam com as matas.Ele me contou que deixou de ser caçador o dia em que uma fêmea de Barbado que ele estava apontando com a espingarda apertou o peito e mostrou o leite saindo, chamando a atenção sobre seu filhote agarrado nas costas dela ! Ele largou a espingarda para nunca mais voltar a caçar e se dedicou a preservação do Cachoeirão. Na sala de sua casa tinham penduradas dezenas de chaves de todos tamanhos,"para abrir as portas dos caminhos da Natureza"

Tempo de caminhada da Prefeitura até o Cachoeirão : 3 horas

            O vale do Pati vive hoje um processo difícil de adaptação a nova realidade de Unidade de Conservação. A integração da população local as  normas ambientais deveria ser promovida pelo Ibama com um processo de educação ambiental e adaptação dos processos de produção. Experiências deste tipo foram bem sucedidas em outros parques Brasileiros.

            Ladeira do Império / Andaraí (4 horas)   Para quem não volta para o Capão ou Guiné, resta enfrentar a "ladeira do Império", subida íngreme e calçada que permite sair do vale e oferece belíssimo visual sobre o Morro Branco do Pati e o Cachoeirão. A descida para Andaraí serpenteia no meio de antigos garimpos de diamante e rala vegetação rupestre, sem apresentar nenhuma dificuldade . 

Contato : Tatu na Trilha Ecoturismo. Tel : 75 33441124